CENTRO CRISTÃO DE ESTUDOS JUDAICOS

INSTITUTO SUPERIOR DE PESQUISA E ENSINO

 A criação do Centro Cristão de Estudos Judaicos – CCDEJ é fruto do trabalho de membros da Mantenedora, de docentes e técnicos administrativos preocupados com a pesquisa, o ensino e a extensão. A elaboração do Projeto Pedagógico Institucional resultou de um trabalho conjunto de planejamento, que se fundamentou na Missão institucional e nos princípios e metas aqui descritos e em consonância com as exigências legais. Para viver plenamente seu carisma, o Instituto Theodoro Ratisbonne (ITR), Mantenedor do CCDEJ, criou em 2006, o CCDEJ, com a finalidade de fornecer e executar, especialmente para os cristãos, programas de pesquisa e de ensino, direcionados ao conhecimento e ao estudo da tradição religiosa de Israel e da Igreja, a partir de suas fontes (oração, comentários das Escrituras, midrash, mishná, Talmud, história de Israel etc). Com isso, o CCDEJ busca favorecer a aproximação, o diálogo e o apreço mútuo entre a Igreja e a Sinagoga; visa também contribuir por meio de estudos bíblicos e teológicos para um maior enriquecimento do “patrimônio comum”.

Para o CCDEJ, a formação nas áreas de sua abrangência requer um empenho institucional para vencer as dificuldades que o mundo enfrenta. A experiência da Mantenedora na Educação Básica tem mostrado positiva em relação à formação de crianças, adolescentes e jovens para o exercício consciente da cidadania e essa meta deve ser continuada no CCDEJ em sua pesquisa, no ensino e pós-graduação lato sensu e na extensão, na medida em que os cursos inicialmente propostos visam a contribuir com a formação geral dos estudantes, valorizando suas experiências em uma sociedade cada vez mais competitiva.






CENTRO CRISTÃO DE ESTUDOS JUDAICOS, UMA NOVA MANEIRA DE LER AS ESCRITURAS E COMPREENDER O CRISTINAISMO






A Congregação dos Religiosos de Nossa Senhora de Sion tem como objetivo: seguir Jesus Cristo como Verbo de Deus feito homem no povo judeu para a salvação do mundo, revelar a Igreja e  ao mundo o amor de Deus pelo seu  povo de Israel, escutar e transmitir a palavra de Deus iluminada pela tradição de Israel e promover o dialogo entre  cristãos e judeus.

Esse trabalho é realizado de acordo com a orientação da Igreja  divulgada por meio de vários documentos eclesiais, mas, sobretudo, no documento conciliar Nostra Aetate nº 4, em que consta:   “Sendo pois tão grande patrimônio comum aos Cristãos e Judeus, este sacrossanto Concílio quer fomentar a ambas as partes mútuo conhecimento e apreço. Poderá ele ser obtido principalmente pelos estudos bíblico e teológicos e ainda por diálogo fraterno.

Para  viver  plenamente  seu  carisma,  a  Congregação  dos  Religiosos  de  Nossa Senhora de Sion criou, em 2006, o Centro Cristão de Estudos Judaicos, que tem como finalidade  precípua  fornecer  e  executar,  especialmente  para  os  cristãos,  programas  de ensino e pesquisa, direcionados ao conhecimento e ao estudo da tradição religiosa de Israel, a partir de suas fontes  (oração, comentários das Escrituras, Midrash, Mishná, Talmud, história de Israel etc). Com isso, a Congregação busca favorecer a aproximação, o dialogo e o apreço mútuo entre a Igreja e a Sinagoga.

Todo o nosso trabalho é feito de acordo com a Igreja e em função da Igreja, pois os cristãos, sendo conhecedores de suas raízes, terão a possibilidade de se tornarem mais cônscio de sua fé e, como consequência, poderão retirar de sua mente o preconceito contra os judeus. Com isso, a possibilidade de um diálogo inter-religioso se tornará mais real. Nossa missão na Igreja é revelar o que nós temos em comum com o judaísmo e, por conta disso, ajudarmos nas pesquisas teológicas e no diálogo com os irmãos mais velhos a quem Deus falou por primeiro.

Nós, da Congregação dos Religiosos de Nossa Senhora de Sion, a partir de nossa própria experiência de estudos e oração, acreditamos que não se pode compreender o Novo Testamento sem antes passar pelas Escrituras ( Antigo Testamento ) e pela a tradição de Israel.

O Judaísmo desenvolveu, muito antes dos cristãos, uma tradição exegética, jurídica, espiritual, litúrgica e mística. Quando um cristão mergulha nessa literatura ele descobre ao mesmo tempo um mundo estranho e familiar. Estranho por causa de um método de argumentação que não    é próprio do  cristianismo. Familiar porque esta literatura está repleta de expressões que se encontram  também no Novo Testamento.  Expressões  como: “A cada dia sua pena, o servo não é maior que o seu senhor, O homem não foi feito para o Sábado mas sábado para o homem, com a medida com que medirdes tu serás medido” não são propriedades do Novo Testamento, elas fazem parte da literatura judaica.  Quando são utilizadas em texto no Novo Testamento elas carregam nelas mesmas todo o contexto do universo religioso judaico sem o qual você não pode compreender a passagem.

Nós, os cristãos, não inventamos a Bíblia, ela nos foi transmitida pelo povo de Israel e juntamente com ela nos foi dada uma maneira de interpretar. Não é possível passar do Novo Testamento ao Antigo Testamento sem levar em consideração essa tradição de leitura que é a mesma dos autores do Novo Testamento.

Para  a Congregação de Sion, a Igreja não pode se compreender a si mesma sem essa relação com o povo de Israel, pois, ela se inscreve na continuidade de um povo de Deus nascido da Aliança com Abraão e esse povo existe até hoje. A Relação com o povo judeu está ligada a própria identidade cristã como um componente essencial de seu ser, sem essa relação, o cristão não pode se compreender.

O  Objetivo  do  Centro  Cristão  de  Estudos  judaicos  é  enfatizar  na  Igreja  a importância dessa tradição judaica para os cristãos, lhes possibilitando   o acesso a essa literatura através de cursos, palestras, celebrações e diálogo. Acreditamos que com esse aparato o cristão compreenderá melhor a palavra Deus e com certeza se reconhecerá melhor como um autentico cristão.

Prof. Pe. Dr. Donizete Ribeiro, nds

(Diretor Acadêmico)








IR PARA O TOUR FOTOGRÁFICO

              Histórico de desenvolvimento do Centro Cristão de Estudos Judaicos- CCDEJ
O Centro Cristão de Estudos Judaicos – CCDEJ- foi criado pelo Instituto Theodoro Ratisbonne, seu mantenedor, da Congregação dos Religiosos de Nossa Senhora de Sion, é um centro de estudos, que desenvolve pesquisas e ensino na área de Teologia, desde o ano de 2006, quando de sua fundação, até a presente data. O CCDEJ desenvolve pesquisas na área de Teologia bíblica, privilegiando o diálogo cristão- judaico, com base no carisma da Congregação dos Religiosos de Nossa Senhora de Sion. Esse carisma consiste em estudar as Sagradas Escrituras, estabelecendo um vínculo com toda a herança judaica como transmissora e geradora dos textos do Novo Testamento.

O CCDEJ desenvolve as seguintes linhas de pesquisas:

 

Linha 1. TEOLOGIA JUDAICO-CRISTÃ:

a)             As raízes judaicas do Cristianismo;

b)             As primeiras comunidades judaico-cristãs, seus textos e suas crenças.

 

Linha 2. HISTORIOGRAFIA E ICONOGRAFIA:

a)             A Historiografia judaico-cristã e a construção do mundo antigo.

b)            A História das relações entre Judaísmo e Cristianismo a partir da Shoah.

c)             A Iconografia judaico-cristã dos primeiros séculos.

 

Linha 3. LÍNGUAS BÍBLICAS E DIVERSAS EXPRESSÕES DO ENSINO RELIGIOSO:

a)             Hebraico, grego, aramaico e latim.

b)       Textos e releituras das diversas expressões do Ensino Religioso

 

Grupos de Pesquisas

 

Ecos da Torá/Escritura nos Evangelhos e na literatura paulina

  •     Nome do grupo: Ecos da Torá/Escritura nos Evangelhos e na literatura paulina

               Status do Grupo: certificado pelo CCDEJ e posteriormente CNPq

               Ano de formação: 2020

               Líder do grupo: Prof. Dr. Pe. Donizete Luiz Ribeiro

               Área predominante: Teologia

               Instituição: Centro Cristão de Estudos Judaicos – CCDEJ

 Descrição

Este grupo de pesquisa, utilizando como leitmotiv os conceitos de tradição, interpretação intrabíblica e inovação (hiddush), buscará determinar, delimitar e analisar os ecos (citações, alusões, repetições de imagens, etc) bíblicos-literários da Escritura presentes nos Evangelhos e na literatura paulina. O constante vai e vem entre os dois Testamentos se justifica pelo enraizamento em um milieu/terreno comum e se alimenta da diversidade literária e interpretativa presentes no corpus textual da Escritura.

Alguns exemplos temáticos: As citações de cumprimento no Evangelho de São Mateus; o cântico de Ana e o Magnificat no Evangelho de Lucas; As origens/genealogia de Jesus; O dom da Torá no Sinai e o sermão da Montanha/da planície nos Evangelhos; a releitura (Rereading) paulina de Sara e Agar; a narrativa da Criação e o Prólogo de São João, etc.

 Obras fundamentais:

 BLOCH, Renée, “Écriture et tradition dans le judaïsme, aperçu sur l’origine du Midrash”. Cahiers Sioniens no1 de 1954, p. 9–34.

   “Quelques aspects de la figure de Moïse dans la tradition rabbinique”. Numéro spécial des Cahiers Sioniens Moïse, homme de l’alliance. Paris, 1955.

     “Note méthodologique pour l’étude de la Littérature rabbinique”. In: Recherche de Sciences Religieuses. Abril-junh 1955. Traduzido e reeditado: “Methodological Note for the Study of Rabbinic Literature.” In Approaches to Ancient Judaism I, edited by William Scott Green, 51-76. Missoula: Scholars Press, 1978.

        “Midrash”. In: Supplément du Dictionnaire de la Bible, V, col 1263-1281, 1957.Traduzido e reeditado em Ingles: Midrash. In: Approaches to Ancient Judaism I, edited by William Scott Green, 29-50. Missoula: Scholars Press, 1978.

HAYS, Richard B. Echoes of Scripture in the Literature of Paul. New Haven, Conn: Yale University Press, 1993.

LENHARDT, Pierre, “ A exegese (midrash” da tradição de Israel, sua grandeza e seus limites”, in: Pierre LENHARDT, À escuta de Israel, na Igreja. Tomo I. São Paulo: CCDEJ- Fons Sapientiae, 2020, p.59-140.

    “A renovação (hiddush) da Aliança no Judaísmo rabínico”, in: Pierre LENHARDT, À escuta de Israel, na Igreja. Tomo II. p.103-148.

 

   “A importância das fontes judaicas para um cristão”, in Pierre Lenhardt, op. cit, Tomo II, p. 189-212.

LEVINSON, Bernard M., O fenômeno da reescrita na Bíblia Hebraica: um ensaio bibliográfico sobre a exegese intrabíblica na história da pesquisa, in: Bernard M. LEVINSON, Revisão legal e Renovação religiosa no Antigo Israel. São Paulo; Paulus, 2011, p. 101-174.

SOMMER, Benjamin D., A Prophet Reads Scripture: Allusion in Isaiah 40-66. Contravensions: Jews and Other Differences. Stanford, Calif: Stanford University Press, 1998.

    “Inner-biblical Interpretation”. Pag. 1829-35 em Adele Berlin e Marc Zvi, The Jewish Study Bible. Oxford: Oxford University Press, 2004.

 

 

Leituras do discurso Teológico

  • Nome do grupo: Leituras do discurso Teológico
  • Status do Grupo: Certificado pelo CCDEJ
  • Ano de formação: 2020
  • Líder(es) do grupo: Dr. Jarbas Vargas Nascimento
  • Área predominante: Linguística/Teologia
  • Instituição: Centro Cristão de Estudos Judaicos – CCDEJ

Descrição

O Grupo de Pesquisa tem por objetivo examinar, com base em uma perspectiva hermenêutica e discursiva, a produção da leitura discursiva de textos teológicos e religiosos. Nesse sentido, são acolhidos os temas que identificam as posições enunciativas dos sujeitos dos discursos teológico ou religioso e verificar, no processo de produção da leitura, modos de negociação dos efeitos de sentido no espaço discursivo da Teologia e da religiosidade.

Para fundamentar as pesquisas, elegemos a Linguística e, mais particularmente, a Análise do Discurso de linha francesa (AD), pois essa disciplina permite posicionar-nos criticamente em debates epistemológicos e responder a problemas de pesquisa que enfocam a leitura e releitura do discurso teológico como uma produção verbal extremamente importante em nossa sociedade. Uma premissa básica na qual se pautam as pesquisas que desenvolveremos é admitir a dimensão crítica que imposta pela AD e sua interdisciplinaridade constitutiva, cujo objeto – discurso – carrega uma função, que se abre a um diálogo fértil com a Teologia e a religiosidade, motivando-nos a ampliar discussões nos campos da Linguística e no da Teologia. Na verdade, Linguística e Teologia, embora distintas em seus campos, cada um desses domínios do conhecimento se adequam aos critérios específicos de cientificidade exigidos pela comunidade discursiva científica, mas há uma particularidade que destacamos. Desde sua constituição, na década de 1960, a AD surge interdisciplinar e tem reivindicado dos analistas, durante o percurso de seu desenvolvimento, interesses e pactos por diferentes textualidades, entre elas, as dos campos da Religião e da Teologia, que devem ser considerados em seus modos específicos de produção e de circulação. Para Gabus (1969, p.83) a pessoa, a obra e o ensinamento de Jesus Cristo constituem não somente o fato central e decisivo que nos dá um sentido à nossa existência humana, mas também confrontam-nos no próprio mistério dessa existência a uma realidade última que chamamos Deus e que funda essa existência.

Para fundamentar a pesquisas, tomamos como referencial teórico-metodológico a Análise do Discurso, em especial, a praticada por Dominique Maingueneau (1997; 1998; 2000; 2006a; 2006b; 2007a; 2007b; 2008a; 2008b; 2008c; 2011; 2013a; 2013b; 2014;

2015; 2016).

Relações entre judaísmo e cristianismo – desencontros e aproximações

 Nome do grupo: Relações entre judaísmo e cristianismo   – desencontros   e aproximações

  • Status do Grupo: certificado pelo CCDEJ
  • Ano de formação: 2020
  • Líder(es) do grupo: Dr. Saul Kirschbaum (PhD)
  • Área predominante: Teologia
  • Instituição: Centro Cristão de Estudos Judaicos (CCDEJ)

DESCRIÇÃO

A temática do grupo se enquadra na linha de pesquisa Historiografia e Iconografia.

Ao longo da história, o povo judeu atravessou diversos períodos de opressão; em alguns desses episódios, instituições cristãs estiveram entre os opressores ou foram seus aliados; não obstante, em cada um desses períodos surgiram indivíduos e instituições cristãs que envidaram esforços, enfrentando sérios riscos, no sentido de mitigar seus efeitos. Entre esses episódios, relacionamos as Inquisições Espanhola e Portuguesa, a Shoah e, no Brasil, o Estado Novo.

A atividade do grupo consistirá em identificar e caracterizar os gestos de acolhimento de indivíduos e instituições cristãs em prol do povo judeu em épocas de crise. Trata-se de evidenciar que mesmo nos tempos mais sombrios surgem pessoas de bem, justos, que enfrentam a escalada da barbárie.

A dinâmica de funcionamento do grupo considerará:

  1. encontros quinzenais, nos quais serão discutidos textos previamente indicados;
  2. publicação de artigos de autoria de membros do grupo em revistas acadêmicas;
  3. apresentação de trabalhos em simpósios, quando possível em conjunto com outros grupos de pesquisa do Centro Cristão de Estudos Judaicos.

Para possibilitar que o grupo de pesquisa alargue o conhecimento dos tópicos abordados, os pesquisadores e estudantes serão estimulados a buscar fontes primárias (documentos originais). Não obstante, será utilizada a bibliografia abaixo indicada – e outras obras que vierem a ser indicadas pelos participantes do grupo – para leitura prévia e discussão nos encontros quinzenais:

  1. Sobre a Inquisição Portuguesa (com ênfase em seus efeitos no Brasil): Flávio Mendes Carvalho – Raízes judaicas no

Alexandre Herculano – História da Origem e Estabelecimento da Inquisição em Portugal.

Joseph Eskenazi Pernigji – Das Fogueiras da Inquisição às terras do Brasil. José Gonçalves Salvador – Cristãos-novos, Jesuítas e Inquisição.

António José Saraiva – Inquisição e Cristãos-novos.

Padre António Vieira – De Profecia e Inquisição. Edição digital do Senado Federal.

  1. Sobre a Shoah:

Anônimo – Os protocolos dos sábios de Sião. Alberto Dines – Morte no Paraíso.

Hilda Hilst – “As aves da noite” in Teatro completo.

Michael R. Marrus – A assustadora história do Holocausto. Márcio Seligmann-Silva (org) – História, Memória, Literatura.

  1. Sobre o Estado Novo:

Renata Mazzeo Barbosa – Judeus em tempos de guerra. Maria Luiza Tucci Carneiro – O anti-semitismo na Era Vargas. Nachman Falbel – Judeus no Brasil.

Jeffrey Lesser – O Brasil e a questão judaica. Hélio Silva – O plano Cohen.

  1. Sobre as relações entre cristãos e judeus após a Shoah:

Congregação das Religiosas de N. Senhora de Sion – Diálogo da Igreja Católica com o judaísmo: Documentação básica.

CCEJ – Religiosos de N. S. de Sion – Jubileu de Ouro do diálogo Católico- Judaico.

Origens do Cristianismo: aspectos histórico-teológicos e sociológicos

Nome do grupo: ORIGENS DO CRISTIANISMO: aspectos histórico-teológicos e sociológicos

  • Status do Grupo: certificado pelo CCDEJ
  • Ano de formação: 2020
  • Líder do grupo: Dr. Vlademir Lucio Ramos
  • Área predominante: Teologia
  • Instituição: Centro Cristão de Estudos Judaicos – CCDEJ

Descrição

O objetivo dessa pesquisa é estudar o período formativo do Cristianismo aproximadamente (30-180 AD) de uma perspectiva interdisciplinar, levando em consideração os vários fatores envolvidos neste processo, tanto histórico-teológicos, contextuais, quanto sociológicos. A investigação das origens do Cristianismo requer não apenas um conhecimento profundo das fontes bíblicas e patrísticas, mas também um conhecimento do contexto histórico e dos princípios teológicos que inundam esses textos. As atividades do grupo incluem seminários, simpósios e publicações conjuntas. A perspectiva teológica proposta é a histórico-crítica auxiliada pelo olhar sociológico. Ambas contribuem na compreensão de certos aspectos histórico culturais do cristianismo nascente e dos textos neotestamentários: “O conhecimento dos dados sociológicos que contribuem a fazer compreender o funcionamento econômico, cultural e religioso do mundo bíblico é indispensável à crítica histórica” (Pontifícia Comissão Bíblica, 1993). Estudar as origens do cristianismo demanda de referenciais específicos mormente aqueles que analisam as sociedades antigas como uma totalidade complexa e dinâmica. Os temas propostos abaixo são sistemas de mediações que se articulam – cada qual com suas especificidades, ritmos, contradições, limites-, para compreender minimamente a totalidade histórica do nascimento do cristianismo, isto é, fatores de influência que determinaram o aparecimento do cristianismo.

TEMAS

  1. A sociedade sob o império romano: o sistema escravagista, o Estado romano, cultura romana e
  2. Correntes de pensamento no período helenístico tardio (30-180 AD): religiões de mistério, gnosticismo, culto ao imperador, neopitagorismo, astrologia e magia, religião romana e cultos
  3. O judaísmo no período romano: a Judeia sob a administração romana, os partidos hebraicos antes da queda de Jerusalém em 70 d.C., características do judaísmo no período helenístico até a queda de Jerusalém em 70 C, Jerusalém no tempo de Jesus.
  4. Origens das comunidades cristãs: a ideia judaico-cristã do messias e do reinado de Deus, a questão da pobreza e as classes sociais no período greco-romano, o comunismo primitivo das comunidades cristãs, as teologias sobre Jesus nos Evangelhos, a mulher na sociedade greco-romana.
  5. A Igreja no período patrístico e sua relação com o judaísmo.

CONCEITOS E CATEGORIAS

Classe social; Modo de produção; relações de produção; ideologia; método histórico- crítico.

REFERÊNCIAS

ACEBO-GÓMES, Isabel. La mujer en los origenes del cristianismo. Bilbao: Desclée de Brouwer, 2005.

Dan JAFFÉ, El Talmud y los orígenes judíos del cristianismo. Jesús, Pablo y los judeo- cristianos en la literatura talmúdica, Bilbao: DDB, 2009.

GARCIA, José M. Los orígenes históricos del cristianismo. Madri: Ediciones Encuentro, 2007.

HOORNAERT, Eduardo. Origens do Cristianismo. São Paulo: Paulus, 2016.

KAUTSKY, Karl. As origens do cristianismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

KOESTER, Helmut. Introdução ao Novo Testamento: história, cultura e religião do período helenístico. |São Paulo: Paulus, 2005.. v.1

                  , Helmut. Introdução ao Novo Testamento. História e literatura do cristianismo primitivo.

São Paulo: Paulus, 2005. v. 2.

LOISY, Alfred. El nacimiento del cristianismo. Buenos Aires: Argos, 1948.

MEEKS, Wayne A. Os primeiros cristãos urbanos: o mundo social do apóstolo Paulo. São Paulo: Paulinas, 1992.

MONASTERIO, Rafael A. Ensayo sobre los Orígenes del cristianismo. España: Verbo Divino, 2010.

Ensayo sobre los orígenes del cristianismo: De la religión política de Jesús a la religión doméstica de Pablo.

NOGUEIRA, Paulo A. S. Breve história das Origens do Cristianismo. Aparecida: Santuário, 2020.

NOGUEIRA, Paulo A. S.; FUNARI, Pedro P A.; COLLINS, John. J. (Ed.). Identidades fluídas no

judaísmo antigo e no cristianismo primitivo. São Paulo: Annablume, Fapesp, 2010.

NOGUEIRA, Paulo A. S. Experiência religiosa e crítica social no cristianismo primitivo. São Paulo:

Paulinas, 2003.

PIÑERO, Antonio (Ed.). Origenes del Cristianismo. Antecedentes y primeros pasos. 2. ed. Cordoba:

Cristiandad, 1995.

PIXLEY, Jorge (Ed.). Cristianismos Originários Extra-palestinos (35-138 d.C.). In Revista de

Interpretação Bíblica Latino-americana. Petrópolis, v. 29, 1998.

PONTIFÍCIA COMISSÃO BÍBLICA. A interpretação da Bíblia na Igreja. Vaticano: 1993. In: http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/pcb_documents/rc_con_cfaith_d

oc_19930415_interpretazione_po.html#I.%20M%C3%89TODOS%20E%20ABORDAGE NS%20PARA%20A%20INTERPRETA%C3%87%C3%83O

RICHARD,   Pablo    (Ed.).    Cristianismos   Originários   (30-70    d.C.).    In   Revista    de Interpretação Bíblica

Latino-americana, Petrópolis, 22, 1996

VERMES, Geza. Jesus e o mundo do judaísmo. São Paulo: Loyola, 1996.

VIDAL, Francisco C. CRISTIANISMO Y REVOLUCION Los orígenes románticos del cristianismo de izquierdas. 2ª ed. Madri: Speiro, 1986.

ZABATIERO, Júlio P. T. Uma história cultural de Israel. São Paulo: Paulus, 2013.

 

As inscrições para participar dos Grupos de Pesquisa estão abertas.

Para mais informações mande-nos uma mensagem para o número

(11) 96843-3547 ou secretaria@ccdej.org.br